Os segredos da cultura japonesa de mangá e anime

Cultura japonesa de mangá e anime, é uma cultura rica e diversificada. Porém, por mais que esta cultura seja popular, poucas pessoas a conhecem realmente. Todavia, é uma cultura que está presente nas nossas casas, na nossa infância. Representando a sua cultura, as suas tradições, a sua imaginação. Não só sobre a forma de uma banda desenhada, chamada de mangá. Como também sobre a forma de desenhos animados, denominados de anime.

Cultura japonesa mangá

Mangá é o nome representativo da banda desenhada ao estilo Japonês. Representado pela diversidade das suas histórias, pelos seus géneros adaptados a todas as idades. Apesar de tanto a cultura ocidental, como a oriental terem bandas desenhadas, elas são totalmente diferentes. Não só pelas suas histórias, pelos seus desenhos, pela forma que é lida. Mas também, pelo facto de originalmente se apresentar a preto e branco.

Ler um mangá, pode ser uma tarefa difícil para quem não está habituado a esta cultura. Já que a orientação é o completo oposto do que estamos habituados. Inclusive a forma de leitura dos livros de mangá é diferente. Ou seja, a leitura dos mangás japoneses é feita da direita para a esquerda. Ao passo que os livros são lidos de trás para a frente. Em outras palavras, a capa é o que seria para nós a contracapa. Assim a visualização das páginas, segue a mesma orientação de leitura do texto.

A cultura Japonesa de mangá e anime, representa uma grande diversidade de desenhos e histórias para todos os géneros e idades.

O surgimento e as melhorias que os mangás sofreram ao longo dos anos. Refletindo-se também no número de páginas e no aparecimento dos capítulos. Contribuíram para que o mangá torna-se uma importante força editorial. Dessa forma, em 2007 representou um mercado de aproximadamente 3.6 bilhões de dólares. Da mesma forma, em 2009 atingiu valores aproximados de 5.5 bilhões de dólares. Assim sendo, a crescente afluência, resultou na conquista de fãs em todo o mundo.

Influências ocidentais

Desenho Mangá
O desenho dos mangás, tiveram várias influências, entre elas, os desenhos da Walt Disney.

As influências da cultura ocidental, também estão bem representadas nas bandas desenhadas japonesas. Principalmente nas características físicas, como a cor dos olhos e a cor do cabelo. Cuja finalidade é representar a rebeldia dos jovens japoneses. Tal como, a mistura das culturas, que cresce a cada dia. Estas influências provocaram uma enorme evolução dos mangás, ao longo dos anos. Influenciando as suas histórias com a cultura, a guerra e a ocupação americana.

Tudo se tornou contributos que influenciaram os contos, no entanto, existiram outros contributos. A qualidade dos desenhos foi outra mudança. De fato a Walt Disney é um clássico exemplo de inspiração. Que revolucionou os desenhos e expressões dos seus personagens, tornando-os mais vividos. Desta forma, em 1946 surgiram novos mangás com personagens parecidos aos desenhos da Disney. Com expressões que refletiam mais vida, devido ao uso exagerado dos olhos, boca, sobrancelhas e nariz. Da mesma forma, foi também utilizado os planos e os enquadramentos usados no cinema. Para assim dar ainda mais vida, movimento e realidade às histórias.

Características do mangá

O artista de mangá, também conhecido como mangaká. Normalmente trabalha em um pequeno estúdio, com os seus assistentes e editor criativo. Criando obras que originalmente são publicadas em revistas antológicas. Ou seja, uma compilação de várias histórias de diversos artistas. Impressas em papel-jornal parecido com o das velhas listas telefónicas. Publicados periodicamente por semana ou trimestre. Ao passo que tem cerca de 300 a 800 páginas e cada capítulo contém entre 10 a 40 páginas. Em contrapartida os mangás que se tornaram populares, contém em torno de 160 a 200 páginas. Podendo a sua obra ser impressa em versões encadernadas. Em resumo, estas versões são publicadas em edições de bolso e contém apenas histórias da série.

Mangás
Os desenhos dos mangás, tornaram-se bastante expressivos e ricos em movimento.

Contudo a procura de um mangá, pode ser feita através de uma demografia:

  • Kodomo: para crianças de tenra idade;
  • Shonen: para rapazes adolescentes;
  • Shoujo: para raparigas adolescentes;
  • Seinen: para homens jovens e adultos;
  • Josei: para mulheres jovens e adultas.

No entanto, a procura por um gênero é ainda mais extensa, uma vez que um mangá pode conter vários gêneros. Tais como:

  • Nekketsu: contém várias cenas de ação, onde os personagens defendem os valores da amizade e do treinamento;
  • Spokon: esportivo;
  • Gekiga: adulto e dramático;
  • Magical Girl: Personagens com poderes especiais ou objetos mágicos;
  • Yuri: histórias de amor entre meninas;
  • Yaoi: histórias de amor entre homens;
  • Harém: histórias de rapazes cercados por raparigas;
  • Mecha: histórias com robôs;
  • Hentai: Seijin mangá ou Ero-mangá, com histórias Ecchi, ou seja, sexuais, pornográficas, na maioria dos casos heterossexuais (partes íntimas são censuradas);
  • Aniparo: paródias de animes,mangais, entre outros;
  • Jidaimono: históricos;
  • Jôhô: educativos;

Cultura japonesa anime

Anime ou animé, são os denominados “desenhos animados” japoneses. Frequentemente baseados nas histórias dos mangás populares. No entanto, o contrário também pode ocorrer. Ou seja, um anime dar origem a um mangá.

A indústria dos animes tornou-se um sucesso internacional, principalmente após a ascensão das dobragens em exibição televisiva. Aliás, o aumento da popularidade resultou em produções não-japonesas. Ou seja, versões ocidentais com o uso do mesmo estilo de arte.

Características do anime

Tanto os mangás. como os animes possuem características bem distintas. Marcados pelo uso da arte ágil, enquadramentos ousados e pelas diversas abordagens. Tal como, o uso de metáforas visuais de forma exagerada, como forma de expressar sentimentos:

  • Gota de água ao lado do rosto do personagem – constrangimento;
  • Diminuição súbita do personagem – vergonha ou medo;
  • Nervos estilizados, dentes ou chifres em evidência – raiva ou maldade;
  • Olhos grandes e expressivos – admiração, súplica, entre outros…

Todavia, também existem vários termos que são deixados sem tradução. Por serem característicos da cultura, tais como:

  • Lolicon: é uma gíria para “pedófilo”;
  • Moe: é geralmente considerado agradável, inocente, ingénuo, fofo ou adorável;
  • Okama: Homem que pratica cross-dressing, usa maquilhagem, fala como uma mulher, etc;
  • Onee-chan ou Onee-sama: Irmã mais velha;
  • Onii-chan ou Onii-sama: Irmão mais velho;
  • Osananajimi: amigo de infância;
  • Otaku: pessoa com obsessão por anime, caracterizado por ter tendências anti sociais, com uma grande atração por personagens 2D;
  • Otenba: menina;
  • Oyaki: papei;
  • Ones hot: mangá que só tem 1 capítulo, curto e que não faz parte de nenhuma série;
  • Bishoujo: termo usado para caracterizar jovens bonitos e geralmente abaixo da idade universitária.

Honoríficos da cultura japonesa 

Na cultura japonesa, existem vários termos que são associados aos nomes dos personagens, tais como:

  • -san: tratamento respeitoso, não tem intimidade com a pessoa. “Senhor”; “Senhorita”; “Senhora”;
  • -senpai: “veterano”, Pessoa que estuda no nível acima;
  • -sama: “Vossa senhoria”, tratamento respeitoso estermo;
  • -Kun: próprio para rapazes, equivale ao -san.
  • Onii-tan: Forma mais fofa e carinhosa de chamar o irmão;
  • Onii-chan: modo carinhoso;
  • Onii-sama: modo respeitoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Voltar ao topo
Portfólio Cloe Fenix